Guialazer

Eu vou (0 Pessoas vão a este evento)

Por PÚBLICO

Bóias. Correntes. Passaportes e bilhetes carimbados. Fotografias. Vestidos, sapatos e chapéus do início do século. Rádios que propagaram pedidos de socorro. Instrumentos musicais que, rezam relatos e filmes, a banda do RMS Titanic tocou enquanto o navio se afundava. Entre réplicas e artigos que foram usados por passageiros e tripulação, "Titanic - A Reconstrução" retrata a engenharia, os materiais de construção e a vida a bordo do mais famoso paquete de sempre.


A peça central é uma maqueta – a maior do mundo, com perto de dez metros de comprimento – do malogrado transatlântico, recheada com miniaturas minuciosas que podem ser observadas como de uma casa de bonecas se tratasse. Uma casa que ficou célebre pela grandiosidade e pelo destino trágico: na viagem inaugural, entre o porto inglês de Southampton e o norte-americano de Nova Iorque, naufragou a 15 de Abril de 1912, depois de ter colidido com um icebergue – também ele reproduzido na exposição –, levando consigo cerca de 1500 vidas.

A exposição, que ruma a Coimbra depois de ter passado pela Expofacic de Cantanhede, tem a assinatura da instituição espanhola Fundación Titanic. Os visitantes podem contar com audioguias e, a partir de Outubro, com ateliês de exploração científica e tecnológica para mergulhar mais profundamente na história do grande naufrágio.